MENSAGEM DO FUTURO

 

Para: Universal Random List

Data: 20991231        23,59UTC

Assunto: Para todos, onde estiverem, leiam-me.

 

A qualquer um que receba esta mensagem, em qualquer tempo e lugar, paz e concórdia. Meu nome é Ariel e escrevo na última noite do século XXI. Sou radioamador e vou tentar  enviar esta mensagem, fora das freqüências  estabelecidas.

 

Sei que isso não me é permitido na minha licença e posso ter sérios problemas  com a ECHA ( Eurasian Communications High Autority ), que podem custar a perda de minha autorização e posso também receber um sério castigo.

 

Permita-me explicar como cheguei nesta situação e que eu possa manter minha identidade em segredo, se é que isso é possível  na Federação Euro Asiática.

 

Meu pai, meu avô, e também meu bisavô ( o qual eu não conheci ), foram também radioamadores, e me transmitiram sua paixão pelo rádio e pelas comunicações, porém, suas experiências de pouco me serviram, pois perdi ambos na Guerra Universal de 2067, sendo ainda uma criança. Na guerra também se perderam quase a totalidade de arquivos históricos – isso nos disseram – sobre os tempos passados de meus pais, assim que, pouco se sabe oficialmente das operações de rádio nos séculos passados e muito menos sobre os radioamadores daquela época.

 

Neste momento, os radioamadores, estamos muito bem considerados pela ECHA, e nosso trabalho de escuta de sinais fracos, procedentes do espaço exterior, é muito apreciado. Neste fim de semana  terá lugar o  Conteste Randômico Universal de Sinais de Baixo Nível, organizado pela seção de radioamadorismo da ECHA; no qual tratamos de receber os sinais procedentes das sondas e estações espaciais de nosso sistema solar. Porém, isso está cada vez mais difícil; a técnica de Espectro-Expandido é muito conveniente, porém, o crescente número de estações ativas ( A última estatística publicada revela mais de um Bilhão e Meio de transmissores, só na Eurásia ) causou um aumento  no nível de ruído de fundo causado pelos detetores paramétricos que nos permitem usar e que tão somente podem discriminar o impulso de sincronismo QAM dos sinais. Se fosse possível voltar ao antigo sistema de sinais coerentes!!! Porém isto está totalmente proibido aos radioamadores; só podemos usar 5 W ERP no espectro expandido e sob estritas condições de codificação.

 

Como disse,  no Centro de Adequação Tecnológica de Segundo Nível (CAT2N) nos explicaram que todos os antigos arquivos haviam se perdido na última guerra, porém isto não era exatamente correto. Entre as recordações de minha infância permanecia viva a imagem de um porão no qual meu avô guardava suas coisas, o qual se alcançava através de um alçapão na parte traseira da casa. Meu avô permitia que eu o acompanhasse em algumas ocasiões e eu ficava pasmo ante aquele sem número de  aparelhos misteriosos e montes de livros que ali havia. A casa foi destruída nos últimos dias da guerra por um míssil perdido, e sobre suas ruínas foi construída uma Unidade de Agrupação Familiar, onde o serviço de Reinsersão Social albergaram a mim e a meus tutores.

 

Durante anos havia abrigado o desejo de descobrir secretamente algo daquele porão e de seus tesouros, porém, nunca tive a oportunidade de tentar. Este ano, e aproveitando o Dia  Mundial da Vitória, todos ( menos os doentes e inválidos ) acorrem às celebrações no Hall da Pátria Triunfante, me fingi de doente, mesmo expondo-me a ser citado publicamente no Programa de Correção. Quando estava só,  armado de uma lanterna e um “pé-de-cabra”, que eu previamente havia subtraído e escondido das autoridades, procurei  então a entrada do antigo porão. Uma inexplicável intuição me guiou. Somente tive que quebrar um pouco da forração, junto ao trocador de calor do sistema de refrigeração, e ali estava o alçapão.  Com muito esforço  levantei-o e entrei à Câmara do Tesouro.

 

A poeira e a umidade haviam feito estragos na maior parte dos objetos, porém alguns, entre os quais um par de antigos equipamentos de rádio, revistas de radioamadorismo, manuais de serviço, logs de contestes, mapas da terra com os prefixos de cada país de então, ( é incrível a estranha mania que tinham os antigos de marcar fronteiras por todas as partes ) e outros documentos. Peguei quanto eu pude daqueles tesouros, saí dissimulando a entrada do local cobrindo-a com uma velha banheira.

 

A partir de então, o rádio teve para mim novo sentido. Como desejava tomar parte ( como houvera feito meu avô ) de um conteste nas antigas ondas decamétricas  (abandonadas por serem inúteis e prejudiciais, segundo nos comunicam no CAT2N ) em uma modalidade  analógica, e mais ainda, empregando o antigo código telegráfico binário manual. ( Na verdade, não posso explicar como eram os antigos capazes de se entender com esta endiabrada técnica dos operadores dos séculos passado e anterior!) Segundo o que li em um antigo manual da ARRL de 1998, nossos bisavós haviam inventado a modulação QUAM e o Espectro-Expandido e manejavam velocidades de vários MB por segundo. Incrível ! Não entendo porque nos ocultaram essas informações no Centro de Adequação e não as atribuíram aos sábios da Federação Euroasiática.

 

Começo a suspeitar que a proibição de se usar as ondas decamétricas pelos cidadãos comuns ( Hoje só as usam algumas instalações militares! ), se deva a algo diferente de sua potencial periculosidade de interferir nos equipamentos de suporte comum comunitário. Se é verdade – como se afirma nos livros de meu bisavô, e eu creio -  que essas ondas permitem uma livre comunicação de alcance mundial, entre estações individuais simples e de baixa-potência , diretamente, acima das fronteiras políticas e sem necessidade de passar pela Rede Mundial ou por repetidores de microondas, ambos controlados pela ECHA. Já adivinho a razão exata de sua proibição !

 

Tomando nota dos esquemas dos velhos livros e verificando alguns velhos aparelhos de meu avô,  montei um pequeno emissor de sinal coerente para a banda de 10,35  GHz. Penso que ele me entrega aproximadamente 5 w., o que não é muito, mas não tenho acesso a módulos de maior potência, porém , creio que isto bastará para meus propósitos. Aproveitando a parabólica de uma velha estufa que estava no porão de meu avô, construí uma antena a qual instalei em meu estúdio, longe da vista de meus vizinhos, apontando para o meridiano e com um angulo adequado para varrer a elipse.

 

Tudo isso é completamente ilegal, eu sei, porém se acontecer o pior, alegarei em minha defesa que nossos avós – e antes – tinham como finalidade principal a experimentação com fins de instrução pessoal.

 

Vou programar meu computador neuronal para calcular o horário da passagem no meridiano da Constelação do Cisne, de onde temos recebido vários sinais ultimamente, e transmitirei esta mensagem que confeccionei no velho código ASCII – a uma velocidade de 9600 Bd, que eu li ser usual naqueles  velhos tempos. Farei a transmissão uma só vez para que o Centro de Controle do Espectro não se aperceba do aparecimento de uma pequena linha nas telas de seus monitores de espectro. Se tudo funcionar como espero, esta mensagem chegará ali – quem sabe? – e talvez alguém responda. E inclusive, pode ocorrer, já no  limite quando os sinais se curvam no espaço-tempo, pular mais para trás  e que talvez meu bisavô pudesse lê-la. Existem rumores que já houveram casos deste tipo, porém, a Superior Autoridade o nega e já declarou este tema como secreto certamente.  Segundo algumas anotações de meu avô, parece que tiveram um estranho problema em alguns de seus antigos computadores na noite de 1999 31 12 , algo que chamaram de Bug do Milênio. Não pude compreender exatamente do que se tratou.

 

Termino com o código final que transmitia meu avô, e que suponho seja alguma forma de saudação amável : 

 

73 de Ariel.

                    

Tradução: Dirceu Collere Cavalcanti, PY5IP  

Colaboração: Atilano de Oms, PY5EG 

Volta